Nos siga nas redes sociais

Esportes

Reunião na CBF define maior poder para os clubes

Mudança no estatuto, que será votada quinta-feira, dará autonomia na organização das competições

Publicado

em

ás

reunião presidentes clubes sede cbf (Foto: CBF divulgação)

Os clubes da Série A do Brasileirão deixaram a reunião na sede da CBF, nesta segunda-feira, satisfeitos. Em evento com a participação do presidente Marco Polo Del Nero, onde o Corinthians foi o único ausente, ficou estipulado que eles terão maior autonomia da organização das competições daqui para frente, com poder de decisão no Conselho Técnico.

A mudança no estatuto da confederação será votada em assembleia na próxima quinta-feira e a tendência é de aprovação. A limitação de mandato, com apenas uma reeleição, e uma nova forma de escolha de vice-presidentes também estarão na pauta.   Outro ponto de discussão no encontro foi Medida Provisória 671 – conhecida como MP do Futebol ou Profut -, que renegocia as dívidas dos clubes com a União, estimadas em R$ 4 bilhões, em troca de contrapartidas.

Uma nova reunião está marcada para sexta-feira, também com os 20 participantes da Série A, para tratar exclusivamente deste assunto. No evento desta segunda, ficou decidido ainda a criação de uma comissão permanente dos clubes, composta por Atlético-MG, Atlético-PR, Flamengo, Vasco, Coritiba, Grêmio, Corinthians, Sport e Santos.   

Presidente do Vasco, Eurico Miranda celebrou alteração no Conselho Técnico e revelou que cada série do Brasileirão terá um grupo formado por seus participantes:   

– A maior conquista, no meu entendimento, é o fortalecimento do Conselho Técnico. Tem um dispositivo no estatuto que o Conselho Técnico trata da organização, preço de ingresso, mas tem um adendo, que diz: sujeito a aprovação da CBF. Isso vai ser retirado. O Conselho Técnico vai poder decidir. Não sei porque tem esse negócio de ser liga ou não. Os clubes que decidem e não interessa se é liga, pinga ou diga. Não é preciso criar uma associação paralela. São clubes com voto igualitário.   

Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo, foi outro que comemorou o fato de os clubes terem maior poder no Conselho Técnico. O rubro-negro, por sua vez, demonstrou estar mais preocupado com a questão da MP.   

– (O Conselho Técnico) É para definir todos os detalhes que dizem respeito aos aspectos técnicos dos campeonatos. Neste sentido, os clubes vão ter um maior poder. É uma valorização dos clubes, mas 90% do tempo foi para falarmos da MP 671. A questão de liga não foi discutida e não é o caso.   

Secretário-geral da CBF, Walter Feldman ironizou qualquer relação que a mudança do estatuto com a criação de uma liga. De acordo com o dirigente, os clubes, que passam a ter maior autonomia na organização de campeonatos, sempre tiveram livre acesso na gestão Del Nero.   

– Essa ideia da liga é uma coisa mística e mágica, como se tudo fosse ficar lindo, salvador. Na cultura brasileira, não é esse o fato. A CBF hoje é uma estrutura aberta, com intensa participação dos clubes.   

Feldman se mostrou ainda favorável a alterações no processo eleitoral da entidade. A limitação de mandato para somente uma reeleição está na pauta da assembleia de quinta e a tendência é que o processo de escolha dos vices também.   

– É necessário criarmos um mecanismo estável para que o vice seja escolhido pelos próprios vices no caso da substituição. Essa coisa de decano, do mais velho, é uma ideia do passado e nos remete até a ditadura militar. É um processo de modernização. A mudança é sempre bem-vinda.   

 

Atualmente, não há restrição para reeleições e a CBF conta com cinco vice-presidentes, que representam cada região do Brasil. O grupo, capitaneado por Del Nero, assumiu a CBF em abril deste ano.

Fonte:Globo Esporte

Continue Reading
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2013 - 2021 PortalPE10.