Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

Polícia Federal coloca nomes de Julia e o pai na lista de proibidos de deixar o país

Hipótese de fuga internacional surgiu a partir de informações de viagens ao exterior realizada pelo pai da menina no mês

Publicado em

às

Os nomes do engenheiro Janderson Rodrigo Salgado Alencar, 29, e da sua filha, a menor Julia, já constam no Módulo de Alerta e Restrições do sistema da Polícia Federal, através do qual ambos ficam impedidos de deixar o país. Com a medida, se Janderson for identificado em portos ou aeroportos do Brasil, será detido, e a menor, devolvida à familia, conforme o Mandado de Busca e Apreensão de Caráter Itinerante. Janderson é acusado de fugir com a própria filha, que tem um ano e nove meses, sem o consentimento da mãe, a servidora pública Cláudia Rogéria Cavalcanti, de 42 anos. 

A hipótese de fuga internacional surgiu a partir de informações de viagens ao exterior realizada pelo pai da menina no mês de junho, quando ele visitou a Tailândia, no continente asiático, e a Venezuela, na América do Sul. Janderson também teria sacado 400 mil reais no início de julho.

Entenda o caso

No último dia 10, a servidora pública Cláudia Rogéria Cavalcanti, 42, prestou queixa na Divisão de Desaparecidos do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente contra o ex-companheiro, o engenheiro Janderson Rodrigo Salgado Alencar, 29, Janderson teria pegado a filha deles, Julia Cavalcanti de Alencar, de um ano e nove meses, no sábado (9) e a devolveria à mãe no dia seguinte, o que não ocorreu. Mãe e filha moram em Olinda.

Apesar de engenheiro, Janderson não tem emprego fixo e vive do rendimento de aplicações financeiras. A mãe de Janderson afirmou que o filho não esteve em casa e também não sabe o paradeiro dele. Não há roupas de adulto nem de criança no apartamento do engenheiro, de acordo com a Polícia Civil.

Pela legislação, a criança pode viajar pelo Brasil sem autorização de um dos genitores – apenas para o exterior é que é exigida a autorização de ambos os pais.

O casal se separou em 2005, de forma não amigável. A funcionária pública acusa o ex-companheiro de agressões verbais contra ela e conseguiu na Justiça uma medida de proteção. O ex não pode ficar a menos de 300 metros dela. A GPCA pede que a população entre em contato se souber alguma pista de onde a menina e o pai possam estar. O telefone para contato é (81) 3184-3578.

Continue Reading
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2013 - 2021 PortalPE10 | O Portal que faz a Diferença.