Brasil
Neta que se isolou para cuidar da avó com Covid-19 morre dias após a idosa
Luana de Oliveira era moradora de Guarujá, no litoral paulista, tinha 35 anos e se isolou junto com a avó, Dona Izabel, que aos 83 anos tinha sintomas da doença.
Publicada em 09 de julho de 2020 às 10:07:32.
Por: Redação PortalPE10 | Fonte: G1

A estudante de pedagogia Luana de Oliveira, de 35 anos, se isolou com a avó que estava com Covid-19 e acabou morrendo dias depois da idosa, após também se contaminar com o novo coronavírus. Moradora de Guarujá, no litoral de São Paulo, a neta cuidava de Izabel Edimunda Bento de Oliveira, de 83, desde quando ela apresentou suspeita da doença.

Em entrevista ao G1 nesta quinta-feira (9), o irmão de Luana, Lucas Felipe de Oliveira, de 37 anos, conta que as mortes aconteceram em um intervalo de 13 dias. As duas moravam na comunidade Prainha Branca, que fica distante do Centro da cidade. Segundo o irmão, Luana tinha problemas de saúde, mas mesmo assim decidiu se sacrificar para ficar com a avó.



Ele conta que, com os primeiros casos de Covid-19 registrados na região, Dona Izabel, como era conhecida a avó na comunidade, ficou isolada na residência onde morava. Lucas explica que ela era uma das moradoras mais antigas da Prainha, querida por todos os vizinhos. Ela mantinha uma rotina fixa de idas à igreja e visitas à casa de familiares, mas com a chegada do novo coronavírus, ficou isolada em casa, junto com o irmão de 62 anos.

“Meu tio não acreditava muito, imaginava estar distante. Os filhos adotaram a medida de distanciamento e ficaram em suas casas. Não sabemos como foi, se foi em alguma visita ou na saída do meu tio, de qualquer forma, minha avó foi contaminada enquanto mantinha o isolamento”, explica. Nos primeiros sintomas, a irmã Luana se prontificou a cuidar da idosa.

Ela e outra irmã acompanharam a idosa na ida ao hospital, e enquanto aguardavam o exame da avó ficar pronto, se isolaram em uma pensão para continuar tendo todos os cuidados com Dona Izabel. “Na tomografia, viram que o nível de acometimento no pulmão não era tão alto, e ela não precisaria de internação, estava aparentemente bem. Poucos dias depois, minha avó foi internada na parte da tarde, e em torno das 21h do dia 23 de junho, faleceu”, conta abalado o neto.

A família e a comunidade ficaram abaladas com a morte de Dona Izabel e, já durante o sepultamento, Luana apresentou os primeiros sintomas da doença. A estudante decidiu fazer o exame, que deu positivo para Covid-19. Sem grande acometimento, como explicou o irmão, ela ficou em isolamento domiciliar, mas depois de dois dias precisou ser internada.

“Ela tinha um filho de seis anos, com traços de autismo, e o marido, que ficaram longe nesse período. Quando ela ficou no hospital, na cidade de Bertioga, que fica mais próxima da comunidade, tinha um boletim por dia. Soubemos que ela foi para a UTI só quando ela já estava entubada, e ela morreu depois disso”, conta o irmão.

Luana morreu no dia 6 de julho, dias depois da avó. “Minha avó era bem querida por todos, uma pessoa serena, tranquila e uma das mais velhas da comunidade. Minha irmã sempre foi sonhadora, surfava, morou fora, começou um projeto ambiental para crianças de lá. Ela deixou alguns marcos na comunidade. Vão fazer falta”, diz.

O irmão lamentou a situação e disse que o hospital não foi totalmente transparente no tratamento de Luana. Ele explica que a avó foi liberada sem tomografia e que não houve aviso de que a irmã iria para a UTI. Lucas também alega que houve demora na ida da irmã para o hospital.

Hospital

Em nota, a Prefeitura de Bertioga informou que, em decorrência do cenário atual, as visitas foram suspensas, bem como a autorização de um acompanhante para os pacientes internados, ficando estabelecido o boletim médico diário para que a família tenha todas as informações necessárias sobre a situação clínica do paciente. Além disso, o Hospital Municipal tem realizado um trabalho com a equipe multidisciplinar, onde chamadas de vídeo são realizadas entre o paciente e seus familiares, amenizando, assim, a falta do convívio familiar.

A administração ainda ressaltou que, referente aos casos citados, a equipe técnica não mediu esforços para que todo o atendimento necessário fosse dispensado. Luana apresentava condições clínicas não favoráveis para o êxito do tratamento à Covid-19, visto que era portadora de comorbidade respiratória, e sua avó Izabel era pertencente a grupo de risco. Mesmo assim, a assistência ocorreu de forma incessante por parte de toda a equipe. A Secretaria de Saúde de Bertioga presta sua solidariedade aos familiares e amigos de Dona Izabel e Luana.

Prainha Branca

Segundo o diretor da Sociedade Amigos da Prainha Branca, Márcio dos Santos Flávio, o último levantamento feito sobre a comunidade, há dois anos, mostra que há cerca de 372 moradores no local. Ele explica que, por ser uma comunidade pequena, a preocupação é grande, e com novos resultados as medidas de proteção aumentaram.

A Secretaria de Saúde de Guarujá (Sesau) confirmou a realização de uma ação na Prainha Branca nas duas últimas semanas. A iniciativa testou 76 moradores, e 41 tiveram resultado positivo para Covid-19, segundo a prefeitura. A pasta alega, ainda, que todos os confirmados foram orientados, e aos que tinham sintomas foi prescrita medicação de acordo com cada caso.

A administração também informou que eles serão monitorados pelas equipes da Usafa, que vão à comunidade ao menos uma vez por semana para reavaliação e prestar atendimento médico. A Vigilância Epidemiológica de Guarujá aguarda a notificação de possíveis óbitos que tenham ocorrido em outras cidades, pois, no município, não foi registrado nenhum falecimento de moradores do local.


Whatsapp PortalPE10 9 9974-3875 - Canal direto com nossa redação - Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você
Tags:
COMENTÁRIOS
Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente a do PortalPE10.
A responsabilidade é do autor da mensagem.
2020 © Copyright. Todos os Direitos Reservados