Futebol
São Paulo decide suspender contrato do goleiro Jean até dezembro
Atleta foi preso acusado de agredir a esposa durante as férias nos Estados Unidos.
Publicada em 10 de janeiro de 2020 às 08:48:25.
Por: Redação PortalPE10 | Fonte: GE



O São Paulo decidiu suspender o contrato do goleiro Jean até dezembro de 2020. Isso significa que o clube vai parar de pagar salários para o jogador, que também não receberá uma indenização. Essa medida da suspensão do vínculo é possível até um determinado prazo de tempo.

Em nota oficial, o São Paulo publicou o seguinte (veja a íntegra da nota do clube no fim da reportagem): "...o contrato permanecerá suspenso até 31 de dezembro de 2020, período durante o qual o atleta poderá exercer atividades por outras agremiações em condições já estipuladas. Caso o jogador não seja contratado por um outro clube durante este período, o São Paulo Futebol Clube poderá decidir pela rescisão de contrato ao final deste ano de suspensão".

Sem rescindir o contrato de Jean por justa causa, o São Paulo toparia, por exemplo, um empréstimo com o novo clube responsável por pagar os salários do goleiro. O Ceará chegou a mostrar interesse por Jean, mas recuou após manifestações da torcida e contratou Fernando Prass.



A decisão de suspender o contrato de Jean foi tomada após uma reunião nesta quinta-feira, entre dirigentes do clube do Morumbi, o advogado Breno Tanuri e o empresário Paulo Pitombeira (representantes do goleiro no encontro).

Caso rescindisse o vínculo de Jean sem uma demissão por justa causa, o São Paulo teria de pagar todos os valores do contrato válido até 2022. Essa possibilidade estava fora de cogitação, pois o clube entende que seria uma espécie de "prêmio" ao jogador por uma atitude condenada.

Jean foi preso durante as férias, acusado de agredir a esposa nos Estados Unidos, e posteriormente solto da detenção sem pagamento de fiança após uma audiência em Orlando. O processo continua na justiça americana.

O goleiro não jogará mais pelo São Paulo e ficou fora da reapresentação do grupo para o início da pré-temporada, na última quarta-feira.

Em dezembro, o São Paulo estava decidido a romper com o jogador no mesmo dia do ocorrido. Mas o clube não podia concluir a rescisão durante as férias de Jean, por conta das leis trabalhistas do Brasil que indicam que um empregado não pode ser demitido durante esse período de descanso.

Em nota oficial veiculada na época do caso, o São Paulo repudiou as agressões de Jean e disse que "não tolera e não admite episódios como os que foram noticiados".

Confira a nota oficial do São Paulo sobre a suspensão do contrato de Jean:

"O São Paulo Futebol Clube comunica que nesta quinta-feira (9) firmou a suspensão do contrato de trabalho do atleta Jean Paulo Fernandes Filho.

O contrato permanecerá suspenso até 31 de dezembro de 2020, período durante o qual o atleta poderá exercer atividades por outras agremiações em condições já estipuladas. Caso o jogador não seja contratado por um outro clube durante este período, o São Paulo Futebol Clube poderá decidir pela rescisão de contrato ao final deste ano de suspensão."

Relembre o caso

Jean agrediu a esposa Milena Bemfica com oito socos, de acordo com a declaração de prisão registrada pelo Xerife do Condado de Orange, na Florida. No registro, o policial responsável pela abordagem relatou que Milena disse que os dois discutiram na madrugada do dia 18 de dezembro no quarto do hotel onde estavam hospedados em Orlando, nos EUA, e ela tentou acalmar Jean. Depois, os dois entraram no banheiro para discutir, mas uma das filhas quis ir para a cama.

Nesse momento, o documento, baseado no relato de Milena, apontou que Jean seguiu a esposa e a puxou para a cama, onde subiu em cima da mulher e deu três socos no rosto dela. Depois, segundo o registro, o goleiro acertou outros cinco golpes na esposa.

O documento também relatou que Milena pegou uma chapinha de cabelo para se defender e com o objeto feriu Jean em ato de legítima defesa. A chapinha quebrou ao atingir a cabeça do jogador.

Jean foi preso em flagrante após Milena postar vídeos nas redes sociais pedindo socorro após ser agredida. Ele passou uma noite na prisão até a audiência, marcada para o dia seguinte ao incidente. Jean não precisou pagar fiança para ser solto. A decisão foi baseada na promessa dele comparecer perante o tribunal em audiências futuras e em se comprometer a não se envolver em outras ações ilegais.

Apesar de ter a soltura determinada, Jean continuará a ser processado na Flórida pelo crime de violência doméstica. Ele também terá que manter distância da mulher, segundo determinação do tribunal. A Justiça permitiu que ele mantenha contato com as filhas, mas sob supervisão de terceiros.

Milena não quis prestar queixa contra Jean, mas ele será processado mesmo assim. A ordem de restrição também afirma que ela, como vítima, não poder solicitar a retirada desta ordem judicial.

Tags: Jogador, Time, São Paulo, Contrato
COMENTÁRIOS
Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente a do PortalPE10.
A responsabilidade é do autor da mensagem.
2020 © Copyright. Todos os Direitos Reservados