Brasil
Publicada em 02 de dezembro de 2019 às 10:39:22. Atualizada em 02 de dezembro de 2019 às 10:39:22.
Sem radares móveis, estradas federais têm menos registros de infrações e mais de acidentes graves
Em 15 estados do país, nenhuma multa foi aplicada em setembro, entre eles Rio Grande do Sul, Ceará e Pernambuco
Por: Marcos André | Fonte: G1



A suspensão da fiscalização com radares móveis nas rodoviasfederais, determinada em 15 de agosto pelo presidente Jair Bolsonaro, levou a uma redução de 54% das infrações registradas em setembro pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) por excesso de velocidade.

É o que revela um levantamento do GLOBO e do SOS Estradas a partir de dados do órgão obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação. A diminuição das multas aplicadas pela PRF ocorre enquanto o país volta a registrar, desde maio, alta de acidentes graves — aqueles com mortos ou feridos — nas BRs, após seis quedas anuais consecutivas.



Depois que os equipamentos portáteis deixaram de ser usados pelo governo federal, os casos com vítimas subiram 5,6% em setembro e 8,4% em outubro, ainda de acordo com números da corporação. A alta dos acidentes graves é motivo de alerta porque costumam ter relação com o excesso de velocidade.

Em números absolutos, na comparação com o ano passado, deixaram de ser aplicadas em setembro 203,6 mil multas a quem excedeu a velocidade nas estradas federais. Somadas, as infrações levariam a uma arrecadação de até R$ 30,1 milhões, parte dela destinada ao Fundo Nacional de Segurança e Educação de Trânsito (Funset). Ao todo, a PRF operava com 299 radares portáteis antes da suspensão.

Impunidade

Em 15 estados do país, nenhuma multa foi aplicada em setembro, entre eles Rio Grande do Sul, Ceará e Pernambuco. Nos demais estados — nos quais os casos contabilizados partiram de radares fixos instalados por concessionárias que administram as vias e ficam sob responsabilidade da PRF — foram registradas reduções significativas. A maior ocorreu no Paraná (99,5%). Minas, que tem a maior malha rodoviária do país, Rio e São Paulo também tiveram quedas. As exceções foram Mato Grosso do Sul, onde a Concessionária CCR/MS Via instalou 38 novos pontos de radares fixos na BR-163, e o Acre, que já não havia somado multas no ano passado.

— As multas hoje são aplicadas apenas por radares fixos mantidos pela Justiça ou pelas concessionárias por obrigação contratual ou legal. Nossa política de tolerância zero com álcool é de tolerância 100% com excesso de velocidade. À medida em que os motoristas forem descobrindo que não há controle de velocidade nas rodovias federais, ou que ele existe somente onde tem radar fixo, sinalizado e indicado nos aplicativos, a situação vai piorar muito — avalia Rodolfo Rizzotto, do SOS Estradas.

Como mostrou O GLOBO, o governo Bolsonaro também suspendeu 2.811 radares fixos de velocidade, sob responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), a maioria em março. Segundo o Ministério da Infraestrutura, após um acordo judicial, serão instalados 1.140 radares eletrônicos. A pasta e o Dnit não informaram ao GLOBO, porém, quantos desses equipamentos já estão em operação.

Tags: Cotidiano,Brasil, PortalPE10
COMENTÁRIOS
Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente a do PortalPE10.
A responsabilidade é do autor da mensagem.
2019 © Copyright. Todos os Direitos Reservados