Brasil

Voto religioso: Bolsonaro pede a cristãos que ‘falem de política hoje’

Em | Da Redação

Atualizado em

Voto religioso: Bolsonaro pede a cristãos que ‘falem de política hoje’

Voto religioso: Bolsonaro pede a cristãos que ‘falem de política hoje’

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta sexta-feira (7) que os cristãos precisam falar de política hoje para “poder falar de Deus amanhã”. Os evangélicos são uma das principais bases eleitorais do chefe do Executivo, mas ele encontra mais resistência entre os católicos. Nos últimos dias, a campanha do candidato à reeleição começou a temer que ele perca votos do segmento religioso por causa de um vídeo que viralizou nas redes sociais com imagens antigas de Bolsonaro em uma loja da Maçonaria.

“Cristãos, falem de política hoje para poder falar de Deus amanhã”, declarou o presidente durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais feita em Belém (PA), ao lado da deputada Bia Kicis (PL-DF). A parlamentar, por sua vez, afirmou que padres estão fazendo campanha para Bolsonaro no Pará. A live também contou com a participação dos deputados Joaquim Passarinho (PL-PA) e Carla Zambelli (PL-SP).

Nesta quarta-feira (5) Bolsonaro se defendeu das críticas por ter ido a uma loja da Maçonaria. “Está aí na mídia agora, o pessoal me criticando porque fui a uma loja maçom em 2017. Fui, sim, fui numa loja maçom, acho que foi a única vez que eu fui na loja maçom. Eu era candidato a presidente, pouca gente sabia. E um colega falou ‘vamos lá’, e eu fui lá. Acho que foi aqui em Brasília, fui muito bem recebido. Tudo bem, me trataram bem”, disse o presidente.

“E eu sou presidente de todos, e ponto final. Fui de novo? Não fui. Agora, eu sou o presidente de todos. Isso, agora, a esquerda faz um estardalhaço. O que eu tenho contra maçom? Não tenho nada”, emendou.

Aliados do presidente preveem que a campanha vai reagir com “algo mais pesado” após o vídeo na Maçonaria ter viralizado. No primeiro turno da eleição, bolsonaristas divulgaram fake news sobre o fechamento de igrejas caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com quem Bolsonaro disputa agora o segundo turno, seja eleito.

Além disso, o chefe do Executivo tem atrelado seu adversário a Daniel Ortega, que governa de forma ditatorial a Nicarágua e, segundo o presidente, tem perseguido padres.

Na visão de um interlocutor de Bolsonaro, a “guerra religiosa” deve se intensificar até o dia 30, quando acontece o segundo turno das eleições. Em discursos durante a campanha, o presidente se referiu à disputa eleitoral como uma “luta entre o bem e o mal”.

Um dia antes do primeiro turno, no último sábado (1º), a primeira-dama Michelle disse que a eleição era um “momento decisivo” e que os “ataques” contra Bolsonaro eram contra os “princípios e valores” de Deus. “As portas do inferno não prevalecerão”, declarou, na Esplanada dos Ministérios.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads