Pernambuco

Trabalhadores terceirizados estão há quase dois meses sem salários; sindicato cobra reunião com a governadora Raquel Lyra

Em | Da Redação

Atualizado em

Trabalhadores terceirizados estão há quase dois meses sem salários; sindicato cobra reunião com a governadora Raquel Lyra
Presidente da Força Sindical de Pernambuco, Rinaldo Júnior — Foto: Força Sindical/Divulgação

 

O Sindicato dos Trabalhadores de Asseio e Conservação de Pernambuco fez, nesta segunda (27), um pedido de reunião de urgência com a governadora Raquel Lyra (PSDB). A entidade cobra o pagamento para cerca de 20 mil terceirizados que atuam em escolas do estado. Esses trabalhadores estão há quase dois meses sem receber salários.

O presidente do sindicato, Rinaldo Júnior, que também comanda a Força Sindical no estado, disse que foi ao Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual, no Centro do Recife, protocolar a solicitação de audiência.

Júnior informou ao g1 que ainda estão sem receber salários cozinheiras, merendeiras, porteiros de escolas e auxiliares de serviços-gerais. “Temos informação de que algumas escolas não estão mais conseguindo produzir a merenda”, afirmou.

Atraso de salários de quase 30 mil terceirizados que atuam no governo de PE leva sindicato a fazer denúncia ao Ministério Público do Trabalho

O sindicalista disse, ainda, que não tem previsão para o pagamento dos salários desses terceirizados da educação.

“Disseram no governo que podem pagar a partir da segunda quinzena de março. Em seis dias, vai fazer dois meses que eles não recebem”, afirmou.

Para Rinaldo Júnior, está ficando claro que há um “problema de gestão”. “Temos informação de que não faltam recursos e sim pessoas para assinar as notas fiscais”, acrescentou.

O sindicalista observou que a situação teve melhora em relação aos problemas denunciados antes do carnaval. “Na sexta (24), começaram a pagar ao pessoal que trabalha em hospitais”, disse.

Em 10 de fevereiro, o sindicato denunciou a situação dos trabalhadores terceirizados ao Ministério Público do Trabalho em Pernambuco (MPT-PE).

O g1 entrou em contato com o governo do estado para saber se existe previsão de pagamento, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads