Brasil

Suspeito de terrorismo no DF diz que fala de Bolsonaro o incentivou a ter armas

Em | Da Redação

Atualizado em

Suspeito de terrorismo no DF diz que fala de Bolsonaro o incentivou a ter armas

George Washington de Oliveira Sousa, que foi preso sob a acusação de tentar explodir um caminhão de combustível em via próxima ao aeroporto de Brasília neste sábado (24

FOLHAPRESS:George Washington de Oliveira Sousa, que foi preso sob a acusação de tentar explodir um caminhão de combustível em via próxima ao aeroporto de Brasília neste sábado (24), afirmou à Polícia Civil de Brasília que as “palavras” de Jair Bolsonaro (PL) o encorajaram a adquirir o arsenal de armas apreendido em seu poder.

Na versão dada por ele aos policiais, à qual a Folha teve acesso, Sousa fez referência ao discurso armamentista do presidente da República -marca de Bolsonaro durante seu mandato e da campanha que em 2018 o levou ao Palácio do Planalto.
“O que me motivou a adquirir as armas foram as palavras do presidente Bolsonaro, que sempre enfatizava a importância do armamento civil dizendo o seguinte: ‘Um povo armado jamais será escravizado'”, disse o investigado, que afirmou ser um “apaixonado” por armas desde a juventude.

Sousa afirmou que trabalha como gerente de um posto de gasolina no interior do Pará e que, desde outubro de 2021, quando obteve licença como CAC (colecionador, atirador desportivo e caçador), já teria gastado cerca de R$ 160 mil na compra de pistolas, revólveres, fuzis, carabinas e munições.

Preso na noite de sábado (24), Sousa afirmou em depoimento à Polícia Civil que planejou com manifestantes do QG (Quartel General) no Exército a instalação de explosivos em pelo menos dois locais da capital federal para “dar início ao caos” que levaria à “decretação do estado de sítio no país”, o que poderia “provocar a intervenção das Forças Armadas”.

Na versão dada por ele aos policiais, ele mencionou o artefato localizado no sábado nas imediações do aeroporto de Brasília e também planos da instalação de explosivos em postes próximos a uma subestação de energia em Taguatinga, cidade do Distrito Federal.
Sousa disse que, após o segundo turno das eleições, passou a participar de protestos no Pará em apoio a Bolsonaro e contra o resultado das eleições, vencidas por Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e que no dia 12 de novembro foi para Brasília.
Narrou que fez o trajeto de carro, uma caminhonete, e colocou no bagageiro “duas escopetas calibre 12, dois revólveres calibre .357, três pistolas, sendo duas Glocks e uma CZ Shadow, um fuzil Springfield calibre .308, mais de mil munições de diversos calibres e cinco bananas de dinamite”.

De acordo com a versão dele, o único item que não tinha licença para “possuir” eram as dinamites que teria adquirido por R$ 600 de um “um homem do Pará”, entregues na capital do país.

O suspeito afirmou ainda que não possuía a guia de transporte de armas e, caso fosse parado pela polícia na estrada, acionaria o grupo armamentista Pró-Armas para ajudá-lo a contornar a eventual situação.

O número de armas de fogo nas mãos de CACs chegou a 1 milhão em julho deste ano. O aumento foi de 187% em relação a 2018.

O governo eleito anunciou a revogação de decretos presidenciais que facilitaram o acesso da população às armas e ao descontrole sobre a circulação desses produtos no país.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads