Brasil

Portador de doença rara perde três filhos com câncer em quatro anos

Em | Da Redação

Atualizado em

Portador de doença rara perde três filhos com câncer em quatro anos

Portador de doença rara perde três filhos com câncer em quatro anos

Corretor de imóveis, Regis Feitosa Mota, é portador de uma síndrome rara, Li-Fraumeni, que deixa o paciente mais suscetível ao aparecimento do câncer. O que ele não sabia era que em razão disso também perderia os três filhos para o câncer em um intervalo de apenas quatro anos. Segundo o G1, o paciente oncológico compartilha a sua rotina com diversos seguidores no Instagam.

“Foi uma coisa muito em cima uma da outra que não deu nem tempo para ter luto porque era terminando o tratamento de um filho e começando o do outro, e falecendo outro, e assim num período de quatro anos perdi os três filhos. É impossível administrar tanta dor, tanta sofrimento e ter luto ao mesmo tempo”, disse Regis

A síndrome é caracterizada por alterar o gene TP53, fazendo com que a produção da proteína responsável por impedir o crescimento de tumores seja insuficiente. É por isso que pacientes que têm essa condição hereditária rara estão tão vulneráveis a desenvolver diversos tipos de cânceres durante a vida. A probabilidade é de 90% de chances de os portadores terem o câncer até os 70 anos.

Já a probabilidade de repassar o gene deficiente para os filhos é de 50%. No caso da família de Regis, os três tiveram que conviver com a doença. Ainda conforme a publicação, o corretor de imóveis ressaltou que, apesar da gravidade, os filhos aceitavam a doença e seguiram suas vidas com “muita força”.

Uma médica geneticista, Denise Carvalho, esclarece que já existem muitas pesquisas no sentido de solucionar o problema. Segundo ela, uma solução seria substituir o gene defeituoso.

“O tratamento é hoje comum para os cânceres manifestantes, mas o grande futuro está na terapia gênica que consiste em substituir o gene que está corrompido pelo gene normal. Isso seria a cura e já existem muitas pesquisas nesse sentido”, explicou.

Beatriz, a filha caçula, faleceu em 2018, com 10 anos, com diagnóstico de leucemia linfoide aguda. Pedro, de 22 anos, teve cinco episódios de câncer e morreu em 2020 com um tumor no cérebro. A perda mais recente foi de Anna Carolina, de 25 anos. A filha médica descobriu um tumor no cérebro em 2021 e morreu em novembro deste ano.

É da memória dolorida da perda dos filhos que Régis consegue ter motivação para seguir o tratamento da quimioterapia todos os dias. Além disso, motivar os mais de 200 mil seguidores que tem nas redes sociais com mensagens sobre transformar a dor em amor.

“Esse tem sido o objetivo principal. Transformar vidas, impactar vidas. Se essa dor toda, todo esse sofrimento, essas perdas não podem ficar em vão. A meu ver, hoje elas têm uma missão maior que é impactar vidas”, complementa.

 

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads