Brasil

Pesquisa Quaest: 84% dos brasileiros são contra prisão de mulheres que abortam

A sociedade brasileira mantém uma postura majoritariamente conservadora em relação à legalização do aborto

Em | Da Redação

Atualizado em

Pesquisa Quaest: 84% dos brasileiros são contra prisão de mulheres que abortam
A sociedade brasileira mantém uma postura majoritariamente conservadora em relação à legalização do aborto

Uma pesquisa recente conduzida pela Quaest revelou que a sociedade brasileira mantém uma postura predominantemente conservadora em relação à legalização do aborto. Conforme os resultados, 72% dos entrevistados se mostraram contrários à legalização, enquanto apenas 25% expressaram apoio, refletindo uma visão tradicional predominante sobre o tema. As informações são de Naian Lucas Lopes, repórter do Último Segundo/iG.

Contudo, um dado surpreendente surge ao abordar a questão da punição para mulheres que praticam o aborto. Embora a maioria dos entrevistados seja contrária à legalização, notavelmente, 84% acreditam que as mulheres que realizam abortos não devem ser sujeitas a prisão.

Essa postura antipunitivista revela uma complexidade na percepção da sociedade brasileira sobre o assunto, sugerindo que a oposição à legalização não necessariamente se traduz em um apoio à punição das mulheres envolvidas.

Felipe Nunes, presidente da Quaest, destaca essa aparente contradição, reconhecendo a postura conservadora predominante na sociedade, mas sublinhando a notável tendência antipunitivista quando se trata do aborto. Esse fenômeno evidencia uma nuance no posicionamento dos brasileiros, indicando que o debate sobre o aborto vai além de uma simples dicotomia entre apoio e oposição à legalização.

O contexto atual é marcado pelo debate em torno do tema, impulsionado pelas recentes declarações do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso. Barroso afirmou que não tem a intenção de pautar a discussão sobre o aborto em curto prazo, enquanto o STF julga uma ação do PSOL, iniciada em setembro, que busca a descriminalização do aborto.

Apesar de a ministra Rosa Weber já ter se posicionado a favor da descriminalização, Barroso solicitou a transferência do caso para o plenário presencial, argumentando que o tema ainda não está devidamente “amadurecido” na sociedade. O presidente do STF destaca a diferença crucial entre ser contra o aborto e acreditar que as mulheres que praticam tal ato devem ser presas, enfatizando o apoio a uma postura não punitiva.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads