Brasil

‘Não deu para salvar nada’, diz mãe, com bebê de apenas 7 dias em seus braços

Em | Da Redação

Atualizado em

‘Não deu para salvar nada’, diz mãe, com bebê de apenas 7 dias em seus braços
Defesa Civil de SP/ Flickr Governo de São Paulo

A cozinheira Zuleide Pereira Alves, de 38 anos, escapou da enxurrada de lama que destruiu a sua casa com uma bebê de 7 dias, o marido e outras duas crianças.

“Aí começou a descer tudo, a lama vinha trazendo pedaço de casa, geladeira, fogão, botijão de gás”, conta. Ela só conseguiu pegar a bolsa da bebê. As crianças salvaram uma blusa de frio cada. “Foi desesperador.”

A família se abrigou na casa de um vizinho, mais alta, segundo ela, e esperou acordada a noite toda por socorro. Moradores da comunidade avisaram os vizinhos para também deixarem as casas e, quando amanheceu, eles desceram o morro. “O medo era a gente estar descendo e a lama levar a gente, estava na altura da cintura. Um poste de energia estava entortando, quase pegando na água.” Nesta segunda-feira, Zuleide e a bebê Rhillary Vitória, que nasceu no dia 12, estavam abrigadas em uma escola municipal de São Sebastião com outras 30 pessoas.

Segundo a secretária de Educação da cidade, Marta Braz, outras nove escolas estão servindo de abrigo e recebendo doações. A que recebeu mais desabrigados foi a da Barra do Sahy, por onde passaram cerca de 500 pessoas à noite. Essa praia também registrou o maior número de mortos.

“Minha maior preocupação era ela”, diz Zuleide sobre a menina, sua sexta filha. “Não deu para salvar nada.” Ela disse que não voltou mais para sua casa, onde morou quase a vida toda. “Agora é segurar na mão de Deus e ver o que vem pela frente.”

SEM FRALDA

A ajudante de cozinha Julia Amaral, de 26 anos, também tem uma bebê de pouco mais de 1 ano e está abrigada na escola por medo de voltar para a casa no mesmo morro. “Vim pegar fralda para minha filha porque tudo ficou na casa”, disse. A escola recebeu água, comida, fraldas de moradores e empresários da região.

Outros moradores da Topolândia também disseram que esperaram ajuda na noite de sábado e não foram resgatados. Fabio da Silva Ferreira, de 26 anos, disse que foi a comunidade que deu o alerta para que as famílias deixassem as casas. “Não teve uma sirene, ninguém bateu na porta para avisar, acho que foi negligência”, afirmou. Ferreira também perdeu tudo no deslizamento e diz que desde 2016 as casas estavam ameaçadas. “Essa ajuda que estão dando agora é o mínimo que podem fazer.”

Segundo o prefeito de São Sebastião, Felipe Augusto (PSDB), a prefeitura “já tinha emitido todos os alertas com a Defesa Civil” quando as chuvas fortes começaram no sábado. “O que não se esperava era a densidade dessas chuvas que ultrapassaram 600 milímetros”, afirmou em pronunciamento no Teatro Municipal, em que estavam presentes também o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador Tarcísio de Freitas. Segundo ele, a primeira equipe da prefeitura foi ao bairro da Topolândia às 5 horas de domingo. “E a partir de lá começamos a entender o tamanho da tragédia que tinha acometido o nosso município.”

*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads