Logo Folha de São Paulo
Brasil

Mulher perde o lábio superior após fazer preenchimento com PMMA

Mulher perde o lábio superior após fazer preenchimento com PMMA

Em | Da Redação com informações de Folha de São Paulo

Atualizado em

Mulher perde o lábio superior após fazer preenchimento com PMMA
Mariana Michelini após fazer preenchimento (à esq.) e em janeiro deste ano, depois de passar pela primeira cirurgia de reconstrução do lábio superior e buço – Arquivo Pessoal

Em 2020, Mariana Michelini, 35, fez preenchimento nos lábios, no queixo e na região do osso malar, área conhecida como maçãs do rosto, com uma profissional da saúde em Matão, município que fica a 306 km da cidade de São Paulo. Seis meses depois, ela acordou com o rosto inchado, vermelho e doendo muito.

Após se submeter a uma biópsia, Mariana descobriu que o produto aplicado no procedimento era PMMA, e não ácido hialurônico, como ela imaginava.

O polimetilmetacrilato, chamado de PMMA, é um preenchedor definitivo em forma de gel, utilizado em procedimentos estéticos e para correção de lipodistrofia, uma alteração da quantidade de gordura no corpo que pode ocorrer em pacientes com HIV.

Desde os anos 2000, os médicos não costumam mais usar essa substância por ser permanente e aderir a pele, músculos e ossos. Quando há um processo inflamatório, ou mesmo quando o paciente não gosta do resultado, remover o PMMA sem causar dados a essas estruturas é quase impossível.

Mariana Michelini após fazer preenchimento (à esq.) e em janeiro deste ano, depois de passar pela primeira cirurgia de reconstrução do lábio superior e buço – Arquivo Pessoal

O uso do produto para fins estéticos e reparadores é liberado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), mas não é recomendado pela SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica)

Atualmente, médicos dermatologistas e cirurgiões plásticos preferem fazer preenchimento com o ácido hialurônico, uma substância presente no corpo humano e reproduzida em laboratório. Esse tipo de preenchedor é reabsorvível e dura até dois anos. Ele é considerado mais seguro e pode ser removido com a aplicação de uma enzima chamada hialuronidase.

Desde 2021, Mariana já se submeteu a tratamentos com antibióticos e corticóides, intervenções para extrair partes do PMMA e uma cirurgia que removeu seu lábio superior e o buço.

Em dezembro do ano passado, ela fez a primeira cirurgia de reconstrução —a próxima deve ser realizada daqui a alguns meses.

Depois de contar sua história nas redes sociais, Mariana foi processada pela pessoa que fez o procedimento nela e não pode mais citar seu nome nem profissão.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads