Brasil

‘Gatonet’: Anatel mira empresas de comércio eletrônico para travar venda de aparelhos

Em | Da Redação

Atualizado em

‘Gatonet’: Anatel mira empresas de comércio eletrônico para travar venda de aparelhos
As medidas visam a fiscalizar os aparelhos piratas conhecidos como “gatonet”; veja perguntas e respostas sobre o tema

Depois de prender 1,4 milhão de aparelhos de acesso clandestino a aplicativos de TV e anunciar que vai desligar cerca de 5 milhões de “gatonets” que estão em uso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mira, agora, a venda desses produtos por empresas de comércio eletrônico.

Os sites de venda de produtos, que funcionam como grandes supermercados que oferecem itens de terceiros, estão repletos de uma infinidade desse tipo de aparelho. Em uma simples busca pela internet, é possível encontrar caixinhas de streaming em grandes sites, como Amazon, Americanas, Casas Bahia e Magazine Luiza.

A retirada de produtos ilegais é uma operação complexa para a agência e os próprios portais, já que alguns modelos de aparelhos – voltados especificamente para transformar a televisão em uma Smart TV, ou seja, permitir o acesso a aplicativos, por meio da assinatura oficial desses serviços – são permitidos e homologados pela agência.

Dentro das ofertas, há caixinhas não foram homologadas pela agência, mas vendidas como se homologadas, fossem. Paralelamente, há caixinhas, de fato, homologadas, mas que aceitam softwares maliciosos que são colocados posteriormente no aparelho, permitindo o acesso irregular aos aplicativos. Estes serão objeto de acompanhamento da Anatel, para posterior cancelamento da homologação.

A Casas Bahia, por exemplo, loja que vende diversos modelos desses equipamentos pela internet, declarou à reportagem que todos os modelos que estão em seu portal foram homologados pela Anatel. Por meio de nota, a empresa afirmou que “é parceira da Anatel e faz checagens frequentes para manter no marketplace apenas produtos regulares”. As demais empresas citadas neste texto foram procuradas. O espaço está aberto para manifestação.

Representantes da Anatel têm mantido conversas com os sites de comércio eletrônico para resolver a situação. A ideia é alinhar estratégias para filtrar e impedir a oferta de produtos ilegais.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads