Brasil

França é maior empregador estrangeiro no Brasil, mas ‘irrelevante’ para Guedes

Em | Da Redação

Atualizado em

França é maior empregador estrangeiro no Brasil, mas ‘irrelevante’ para Guedes
Foto: Reprodução Internet

Apesar de o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter dito que a França está ficando “irrelevante” para o Brasil – além de outras declarações de mais baixo calão – o país europeu é o maior empregador estrangeiro e o terceiro que mais investe em território brasileiro. Além disso, as exportações para a França vêm crescendo 18% neste ano.

Na terça-feira, Guedes criticou a França e chegou a usar um palavrão ao referir-se ao país. “Vocês [França] estão ficando irrelevantes para nós. É melhor vocês nos tratarem bem porque senão vamos ligar o ‘f…-se’ para vocês”, disse o ministro. Procurada, a embaixada não quis comentar as declarações de Guedes.

De acordo com dados da embaixada da França em Brasília, o número de empresas francesas no Brasil chegou a 1.042 em 2019, último dado disponível, empregando 471.784 funcionários e um volume de negócios de 66,1 bilhões de euros.

Dados do Banco Central mostram ainda que, em 2020, o investimento francês no Brasil somou US$ 32,255 bilhões, 6% do total investido no setor produtivo por outros países. Os franceses ficaram atrás apenas dos Estados Unidos, com investimento de US$ 123, 853 bilhões (24%) e Espanha, com US$ 58,215 bilhões (11%).

Comércio

O comércio com o país europeu também vem crescendo neste ano. De acordo com dados do próprio Ministério da Economia, as exportações para os franceses cresceram 18,3% neste ano e somam R$ 1,796 bilhão até julho. O país ocupa o 26º no ranking de maiores compradores do Brasil, à frente de nações como Rússia, Uruguai e África do Sul.

Se para o ministro a França é “irrelevante” para o Brasil, a posição que os brasileiros ocupam no ranking de clientes dos franceses é ainda pior: os brasileiros são os 29º maiores clientes de itens da França. Já na importação, enquanto a França é o 11º maior vendedor do Brasil, o Brasil é apenas o 36º maior fornecedor de produtos para a França.

Em 2011, as exportações para os franceses chegaram ao patamar de US$ 4,3 bilhões, quando entraram em trajetória de queda até 2017, quando iniciaram uma recuperação até a pandemia. Em 2021, as vendas para a França fecharam o ano com alta de 25,9% . O desempenho superou o encolhimento registrado com a pandemia de 2020, quando as vendas ao exterior caíram 24%.

Entre os principais produtos vendidos de 2022 estão farelo de soja (24%), minério de ferro e concentrados (13%), celulose (6,8%) e café (6%).

De janeiro a julho deste ano, as importações de produtos franceses pelo Brasil subiram 5,7%, alcançando US$ 2,834 bilhões. Com isso, o saldo neste ano é desfavorável aos conterrâneos do ministro: negativo em US$ 1,038 bilhão.

Da França, o Brasil compra principalmente itens que são utilizados na produção brasileira, como motores e máquinas (15%) e compostos organo-inorgânicos (8,4%), além de medicamentos e produtos farmacêuticos (5,2%) e partes e acessórios de produtos automotivos (4,8%).

Diplomacia

Não foi a primeira vez que Guedes se envolveu em uma “saia justa” com os franceses. Em 2019, ele chegou a pedir desculpas depois de dizer que a primeira dama da França, Brigitte Macron, era “feia mesmo”, concordando com afirmação anterior de Jair Bolsonaro.

 

Da redação do PortalPE10, com informações do Noticias ao Minuto.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads