Brasil

Fies Social abre inscrições; veja quem pode se inscrever e como participar

Programa vai oferecer financiamento estudantil para alunos de baixa renda com condições especiais de pagamento. Alunos podem se inscrever até o dia 15 de março.

Em | Da Redação

Atualizado em

Fies Social abre inscrições; veja quem pode se inscrever e como participar
Programa vai oferecer financiamento estudantil para alunos de baixa renda com condições especiais de pagamento. Alunos podem se inscrever até o dia 15 de março.

Começam nesta terça-feira (12) as inscrições para o Fies Social, programa de financiamento estudantil do governo federal com condições especiais para alunos de baixa renda estudarem em faculdades particulares.

🗓️ As inscrições podem ser feitas pelo Portal Único de Acesso ao Ensino Superior, no site do governo federal, até a sexta-feira (15). O resultado vai ser divulgado no dia 21 de março.

Segundo o Ministério da Educação (MEC), este ano o Fies vai oferecer 112 mil vagas em várias áreas do conhecimento no país. Metade delas vão ser destinadas à versão social do programa.

Quem pode participar?

O programa foi anunciado pelo governo no início deste ano como uma forma de atender os alunos de baixa renda com financiamento para cursos de graduação em universidades particulares.

Podem participar do programa alunos que:

  • estejam inscritos no Cadastro Único (CadÚnico);
  • e que tenham renda familiar per capita de até meio salário mínimo (R$ 706).

Qual a diferença entre o Fies e o Fies social?

A principal mudança é que, nesta modalidade, o governo pode financiar até 100% do curso.

➡️Como era antes? Desde 2016, o programa havia deixado de fornecer empréstimos que cobriam integralmente os encargos educacionais. Quanto menor o salário médio da família, maior era a fatia da mensalidade que poderia ser paga só depois da formatura — mas era impossível alcançar os 100% de financiamento.

Exemplo: na mesma faculdade, que custava R$ 10 mil por mês, um estudante com renda familiar per capita de 1,5 salário mínimo poderia conseguir cerca de 85% de financiamento (e não 100%). Com 3 salários mínimos (o máximo permitido para o programa), seriam só 58% financiados. Diante disso, alunos diziam que estava insustentável continuar na universidade: pagar a parte não financiada tornava-se cada mais difícil, ainda mais para quem estudava em cursos integrais e não poderia trabalhar.

🔔Mas, atenção: Apesar da mudança com o financiamento de 100% do curso, os “tetos” do Fies continuam valendo para a versão social. Isso significa que o programa não vai financiar mais do que R$ 42,9 mil por semestre (no caso de medicina, o limite é de R$ 60 mil)O valor que exceder essa quantia deverá ser pago a cada mês pelo estudante.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads