Brasil

Estudante que levou 18 pontos no rosto após sofrer corte em ônibus faz tratamento para a cicatriz

Em | Da Redação

Atualizado em

Estudante que levou 18 pontos no rosto após sofrer corte em ônibus faz tratamento para a cicatriz

O ataque sofrido pela estudante de enfermagem Stefani Firmo, de 23 anos, que teve o rosto cortado enquanto dormia em um ônibus, que saia de Recife (PE) para Salvador (BA), chocou não só pela forma como o crime ocorreu, mas pela imagem dos pontos costurados com linha escura atravessando o rosto da jovem. São dezoito pontos que vão da orelha direita ao centro da boca.

A médica dermatologista Carla Goes, fundadora de um instituto especializado em reconstrução facial para vítimas de violência doméstica, ressalta que em casos semelhantes ao de Stefani o tratamento da marca deixada é também uma forma de tratar a dor do trauma. “Conforme a cicatriz desaparece, é uma história trágica que ela vai conseguindo superar”, diz Carla sobre o depoimento das pacientes-vítimas.

Após a divulgação das imagens nas redes sociais, alguns internautas questionaram a qualidade do procedimento, outros comentaram sobre a possibilidade de ela fazer uma reconstrução estética para que não se lembre do momento em que foi golpeada no veículo sem motivo aparente.

Stefani diz que não descartar a possibilidade de fazer um procedimento mais invasivo, como uma cirurgia estética, para remover a cicratiz que marca seu rosto. “Não seria viável um procedimento invasivo agora devido ao fato de a lesão ser recente”, afirma.

A dermatologista Carla Goes explica que, como os pontos foram dados na emergência, logo após o ocorrido, e que, por isso, é normal que a imagem cause um estranhamento maior. Mas, segundo ela, porém, é possível tratar, até que ocorra a remoção total da cicatriz. Na avaliação da dermatologista, a marca deixada pelo ataque pode ser tratada com laser ou uma pequena cirurgia de correção plástica.

Carla é fundadora do Instituto Um Novo Olhar, uma ONG que atende e reconstrói a autoestima de vítimas de violência doméstica, ressalta a importância de se receber um atendimento médico especializado para esses casos: “É fundamental porque a pessoa vislumbra um recomeço, ouço muito minhas pacientes comentarem que, conforme a cicatriz desaparece, um novo ciclo começa a partir dali”, diz.

Segundo a especialista, a maioria das mulheres que buscam atendimento estético foi porque sofreram algum tipo de agressão na região do rosto. “Recebemos lesões que geralmente são múltiplas, com cortes no rosto, pescoço, mutilação de membros, como nariz, boca e orelha, além de perca de dentes, hematomas, entre outros”, explica.

No caso da vítima que teve o rosto cortado no ônibus, não foi violência doméstica, mas a jovem acredita que tenha sido intencional. A polícia investiga uma passageira sentada na poltrona atrás de Stefani, encontrada com uma faca.

A estudante diz que o corte foi profundo, principalmente na região do queixo, “mas graças a Deus não comprometeu nenhum nervoso”, ressaltou. Agora, Stefani aguarda o resultado das investigações e pede por justiça.

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads