Logo JC Online
Pernambuco

Detentos de Pernambuco lideram facção que movimentou quase R$ 500 milhões em apenas dois anos, diz polícia

Operação, nesta quarta-feira (25), cumpriu 49 mandados de prisão preventiva, sendo 17 em presídios do Estado. Ao todo, há 140 investigados

Em | Da Redação com informações de JC Online

Atualizado em

Detentos de Pernambuco lideram facção que movimentou quase R$ 500 milhões em apenas dois anos, diz polícia
Operação, nesta quarta-feira (25), cumpriu 49 mandados de prisão preventiva, sendo 17 em presídios do Estado. Ao todo, há 140 investigados

Detentos espalhados por presídios de Pernambuco estavam comandando um grupo criminoso especializado em tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, que envolve empresas de fachada e fantasmas e até criptomoedas. O grupo, que teria ligação com a facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC), movimentou quase R$ 500 milhões em apenas dois anos, segundo a Polícia Civil.

A informação foi revelada, em coletiva de imprensa, nesta quarta-feira (25), na sede da Polícia Civil, na área central do Recife, após a realização de uma operação para cumprir 66 mandados de prisão preventiva em 14 estados do País. Mais de 340 policiais civis e federais participaram.

As investigações tiveram início em outubro de 2022, após a polícia prende em flagrante um homem com cerca de 23 quilos de cocaína no bairro de Jardim São Paulo, no Recife. A quantidade chamou a atenção do delegado José Custódio.

“Pelo histórico do suspeito, que não trabalhava, resolvi prosseguir com a investigação. Ao longo do inquérito, descobrimos que havia presidiários financiando o varejo de drogas da Região Metropolitana do Recife”, afirmou o delegado.

Com o avanço das investigações, a polícia descobriu que o grupo era articulado e envolvida ao menos 20 estados do País.

“No primeiro momento existia o tráfico de drogas, mas também a lavagem de dinheiro, que acontecia por meio de empresas de fachada, que trabalhavam com eventos, mídias sociais e até comércio de ouro. Também existiam empresas fantasmas, que são aquelas que na prática não existem. Encontramos, por exemplo, várias ‘empresas’ cadastradas no mesmo endereço”, explicou.

Segundo o delegado, 140 pessoas são investigadas no inquérito, que ainda não foi concluído. Até agora, foi confirmada a movimentação de R$ 471.822.306,26.

Foto Polícia Civil

Foto Polícia Civil

Foto Polícia Civil

Foto Polícia Civil

Deixe sua opinião

Advertisements
20 - Banner Threads