Nos siga nas redes sociais

Esportes

Dez perguntas e respostas sobre a morte de Ayrton Senna

De garoto trapalhão a empresário, conheça mais sobre Ayrton Senna

Publicado

em

ás

Qual foi a causa da morte?

A autópsia revelou que o impacto a 208 km/h causou os ferimentos múltiplos na base do crânio do piloto, resultando em insuficiência respiratória. Além disso, havia esmagamento do cérebro, que foi arremessado junto à parede do crânio, causando edema, hemorragia e o aumento de pressão intracraniana. Houve também a ruptura da artéria temporal que causou a hemorragia nas vias respiratórias e parada cardíaca.

Quem foi condenado pela morte do piloto?

Procuradores italianos acusaram seis pessoas de homicídio pela morte de Senna, todas absolvidas posteriormente. Eram eles Frank Williams, Patrick Head e Adrian Newey, da Williams, Fedrico Bendinelli, representante dos proprietários do Autódromo Enzo e Dino Ferrari, Giorgio Poggi, diretor do circuito, e Roland Bruynserarde, diretor da prova e que sancionou o circuito. O caso levou mais de 11 anos para ser concluído, devido a um recurso e um novo julgamento.

Quem era o principal rival de Senna no ano de sua morte?

Após dois anos de domínio da Williams, com os títulos de Nigel Mansell em 1992 e Alain Prost em 1993, Senna transferiu-se para a equipe inglesa, mas não marcou pontos nas duas corridas que antecederam o GP de San Marino. O vencedor nas duas etapas foi Michael Schumacher, da Benetton.

O que mudou na F-1 após a morte de Senna?

A categoria passou a investir mais em segurança, não apenas nos carros e equipamentos, como também nos circuitos. Mais áreas de escape e barreiras de pneus foram colocadas e os testes de impacto passaram a ser mais rigorosos.

Quem havia sido o último piloto a morrer numa corrida de F-1?

O austríaco Roland Ratzenberger morreu um dia (30/4) antes de Senna durante um acidente na classificação. Antes dele, o último havia sido o italiano Riccardo Paletti, durante o GP do Canadá de 1982.

Senna e Ratzenberger foram os únicos a se acidentar em Imola naquele final de semana?

Não. Tudo começou na sexta-feira, quando Rubens Barrichello, então na Jordan, perdeu o controle de seu carro a 225 km/h e bateu no alto da barreira de pneus. Com o impacto, seu carro capotou várias vezes antes de cair no cão, de cabeça para baixo. O brasileiro ficou inconsciente e teve o nariz e o braço quebrados.

Apesar do acidente, o GP de San Marino foi disputado até o fim?

Sim, como Senna não foi declarado morto na pista, a corrida continuou normalmente até o final. Michael Schumacher venceu, seguido pelo italiano Nicola Larini e Mika Hakkinen. No pódio, em respeito a Ratzenberger e Senna, nenhum champanhe foi estourado.

Quem prestou os primeiros socorros ao piloto brasileiro?

Logo após a batida, fiscais de pista tentaram socorrer o brasileiro, mas ao ver a gravidade da situação esperaram que o médico da F-1, o neurocirurgião Sid Watkins, chegasse. Foi ele quem fez a traqueostomia no piloto, ainda na pista, antes que ele fosse levado de helicóptero ao hospital em Bolonha.

Se os ferimentos de Senna eram irreversíveis, qual foi a hora da morte?

O brasileiro foi anunciado como morto às 18h40 em Imola, duas horas e 20 minutos depois do encerramento do GP de San Marino. O horário oficial da morte, no entanto, foi dado como 14h17, ainda durante a corrida.

Depois dos acidentes em 1994, algo mudou no circuito de Imola?

Utilizado desde 1981 na F-1, o traçado da pista italiana foi bastante modificado após as tragédias. A Tamburello, que era uma curva de alta velocidade foi transformada em uma chicane muito mais lenta. A última vez que o circuito recebeu uma etapa da F-1 foi em 2006. (Folha de São Paulo)

Continue Reading
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2013 - 2021 PortalPE10.