Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

Com ciranda e maracatu, milhares de pessoas vão as ruas do Recife em apoio a Dilma

O tom mais crítico, porém, ficou de fora dos discursos e dos gritos de guerra proferidos durante a passeata.

Publicado

em

ás

ato Dilma 12

Em clima de empolgação, a militância do PT e entidades sindicais tomaram as ruas do Centro do Recife, na manhã desta sexta-feira (13), para defender o mandato da presidente Dilma Rousseff (PT) em um ato marcado por músicas em defesa da Petrobras e rodas de ciranda.

“Chora a direita. A direita chora”, provocava a letra de uma das músicas. O coro era entoado pelo maracatu Batuque Chico Science, que é formado por integrantes do movimento “Levante Popular da Juventude”.

Convocada pela CUT, MST, movimento estudantil e outras centrais sindicais, a passeata desta sexta teve forte apoio do PT de Pernambuco, que levou toda a Executiva para a rua.

ato Dilma 1

“Temos que nos orgulhar e defender esse governo que investiga a corrupção”, defendeu a presidente estadual do partido, Teresa Leitão, de cima do trio elétrico da CUT. “Os trabalhadores sabem como era a sua vida no governo tucano”, bradou.

A fala foi endossada pela deputada federal Luciana Santos (PCdoB), que atacou as forças reacionárias que agem inconformadas com o resultado da eleição. “Quem é o PSDB para falar em corrupção no Brasil?”, questionou.

Lideranças do PT pernambucano como os ex-prefeitos do Recife João Paulo e João da Costa também engrossaram o movimento. “O PT precisa fazer uma grande mobilização para defender as conquistas dos últimos 12 anos”, defendeu João Paulo, que entrou nas rodas de ciranda.

Para o presidente da CUT em Pernambuco, Carlos Veras, o ato desta sexta não foi partidário, apesar do apoio explícito do PT. Vários militantes circulavam com bandeiras, camisas e faixas da campanha de Dilma.

Além de defender a Petrobras e a democracia contra o golpismo, o movimento desta sexta tinha como pauta a luta contra as Medidas Provisórias editadas pelo Palácio do Planalto que alteraram direitos trabalhistas.

A mea culpa foi feita inclusive pelo PT. João Paulo disse que o governo poderia ter sido mais flexível ao negociar com os trabalhadores. O vice-presidente do PT, Bruno Ribeiro, assumiu que as MPs poderiam ter sido melhor ajustadas.

O tom mais crítico, porém, ficou de fora dos discursos e dos gritos de guerra proferidos durante a passeata. O grupo esquerda marxista, que carregava uma faixa chamando a presidente de traidora foi hostilizado no início da caminhada. “Quem acha Dilma traidora nem devia estar aqui”, censurou um orador da CUT no microfone.

Envolvido com movimentos sociais desde jovem, o padre Reginaldo Veloso fez questão de participar da passeata. “Precisamos ir às ruas para mostrar que a população está unida na luta dos direitos trabalhistas, para manter a Petrobras com os brasileiros e garantir a democracia com a permanência da nossa presidente, que foi eleita nas urnas”, disse.

A passeata saiu do Parque 13 de Maio, seguiu pelas Avenidas Conde da Boa Vista e Guararapes, e terminou na Praça da Independência. O tenente coronel Alexandre Cruz estimou em mil pessoas no ato. Para o presidente da CUT, porém, cinco mil militantes compareceram.

Quando o grupo atravessava a Conde da Boa Vista, uma das principais avenidas comerciais do Recife, o jovem Cláudio Alves, que mora em Brasília Teimosa, criticou os manifestantes, chamando-os de ladrão.

“Tudo ladrão no PT. A começar da presidente”, afirmou ele, que promete participar do protesto que pede o impeachment de Dilma neste domingo (15), às 9h, na Avenida Boa Viagem. “Tem que entrar o exército e as forças armadas”, defendeu.

Blog do Jamildo

Continue Reading
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2013 - 2021 PortalPE10.