Nos siga nas redes sociais

Brasil

Aborto por toxoplasmose, a “doença do gato”, é raro no fim da gravidez

Publicado em

às

Aos 9 meses de gestação, Milena Cardoso perdeu o bebê devido a complicações da doença no domingo (19/9), em São Vicente, em São Paulo

Milena Glória Cardoso, de 19 anos, perdeu o bebê aos 9 meses de gravidez devido a complicações causadas pela toxoplasmose, no domingo (19/9). Meses antes, ao começar o pré-natal com 6 semanas de gestação, a jovem passou, em 29/1, na Unidade Básica de Saúde (UBS) Esplanada dos Barreiros, em São Vicente, litoral de São Paulo, por um exame de anticorpos que detectou intensa presença de toxoplasmose.

No entanto, a contaminação do bebê e da grávida não ocorre ao mesmo tempo, pois o parasita Toxoplasma gondii, causador da doença, precisa passar pela placenta para atingir o feto. Para verificar se o bebê também foi contaminado, é necessário realizar uma análise do líquido amniótico.

A Secretaria de Saúde (Sesau) da Prefeitura de São Vicente informou que Milena se infectou antes de ficar grávida. No entanto, o exame de pesquisa de toxoplasma no líquido amniótico não foi realizado, porque “a gestante não tinha indicação”, considerando que a infecção foi anterior à gestação.

A reportagem do Metrópoles procurou Milena e familiares, que responderam não estar em condições ainda para falar sobre o ocorrido.

Toxoplasmose na gravidez

Segundo o diretor clínico e infectologista do Grupo Fleury, Celso Granato, a contaminação do feto por toxoplasmose é mais comum no início da gravidez – período no qual tende a prejudicar mais o bebê e causar abortos. “No primeiro trimestre é relativamente comum a toxoplasmose causar o aborto. O bebê ainda não tem a imunidade totalmente desenvolvida e pode enfrentar uma forma grave da doença”, afirma.

No fim da gestação, quando a infecção atinge a criança, é mais comum que seja uma forma leve. No entanto, o infectologista ressalta que a doença pode causar abortos em qualquer fase.

“A interrupção da gravidez não é comum e ocorre mais quando a infecção se deu no primeiro trimestre. De um modo geral, a perda nos demais trimestres é possível, mas menos comum. Outros fatores poderão estar associados, como comorbidades e se houve infecção fetal ou não”, explica a consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, Clea Bichara.

Toxoplasmose no Brasil

De acordo com o diretor clínico e infectologista, não é comum no Brasil grávidas terem complicações por toxoplasmose, pois cerca de 40 a 50% das mulheres já tiveram contato com o toxoplasma antes da gravidez. Essa situação reduz a possibilidade de reinfecção e de quadros mais graves.

Por outro lado, a consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia Clea Bichara afirma que o Brasil é um dos países com a maior prevalência de toxoplasmose do mundo.

“Às vezes as pessoas começam a se acostumar ou se esquecer dessas doenças mais tradicionais, mas infelizmente é uma coisa que a gente ainda tem. Então, é importante acompanhar de perto no pré-natal, fazer o exame na primeira consulta e repetir depois”, comenta o diretor clínico.

Tratamento da toxoplasmose em grávidas
Assim que a gestante recebe o diagnóstico, a gravidez passa ser considerada de risco e deve se iniciar tratamento medicamentoso para prevenir que a infecção atinja a placenta e para proteger o bebê.

Continue Reading
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2013 - 2021 PortalPE10 | O Portal que faz a Diferença.