Mata Sul
Publicada em 05/08/2018 às 06h39. Atualizada em 05/08/2018 às 06h50
MPPE recomenda a interdição de matadouros públicos em Catende, na Mata Sul
Decisão foi tomada após vistoria. Condições precárias de higiene e a omissão da gestão municipal foram levados em conta.
Por: Redação PortalPE10 | Fonte: FolhaPE


Após vistoria da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado (Adagro), o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou à Prefeitura de Catende, na Mata Sul, a interdição, em caráter emergencial, dos matadouros públicos do município e também de Laje Grande, distrito de Catende. As condições precárias de higiene e a omissão da gestão municipal em tomar medidas a fim de não pôr em risco a saúde população motivaram a recomendação expedida pelo promotor de Justiça de Catende, Rômulo Siqueira França. A prefeitura tem um prazo de dez dias para encaminhar à promotoria relatório com todas as providências adotadas. 

Na recomendação, o promotor exige que a prefeitura esclareça a todos os proprietários de animais, comerciantes e à população em geral, os motivos da interdição dos matadouros e que também faça fiscalização contínua para reprimir a comercialização de carnes sem as devidas normas sanitárias exigidas pela lei.

"Diante do risco iminente para a saúde das pessoas, há a necessidade urgente de desativar o funcionamento de ambos os matadouros para que não ocorra nenhum abate ou se faça a manipulação de qualquer animal", alerta Rômulo França.

A recomendação é um dos resultados do programa Carne de Primeira, do MPPE, a fim de coibir as irregularidades em matadouros públicos. O promotor, inclusive, ressaltou que, há cerca de dois anos, um novo matadouro público foi construído na zona rural de Catende e até hoje não foi inaugurado pela gestão municipal. 

Segundo ele, foram várias as irregularidades sanitárias encontradas em ambos os matadouros. Na sala de abate de bovinos, por exemplo, a Adagro apontou que "encontram-se em precárias condições de funcionamento, higiene e operacionalidade". "Só na sala de abate, viram chão esburacado, parede revestida de cerâmica, vísceras dos animais abatidos misturadas com sangue e nenhuma infraestrutura de escoamento adequada. Em geral, a parte sanitária deixa a desejar em todas as partes dos matadouros. Não há condições de os moradores comerem a carne abatida nesses locais", reforça. 

Além disso, os trabalhadores estavam em contato direto com esses agentes contaminantes biológicos, pois não trabalham com equipamentos de proteção individual (EPIs), como luvas, e as instalações elétricas foram feitas de forma improvisada. A Folha de Pernambuco tentou contato com o prefeito de Catende, Josibias Cavalcanti, mas, até a publicação desta matéria, não recebeu resposta.

Eleições 2018
Dono de empresa suspeita de ajudar Bolsonaro fez o mesmo por Dilma
Política
PSOL pede para TSE suspender funcionamento do WhatsApp em todo país
Eleições 2018
Para juristas, há risco de cassação por compra de disparos no WhatsApp
COMENTÁRIOS
Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente a do PortalPE10.
A responsabilidade é do autor da mensagem.