Eleições
Publicada em 04/07/2018 às 10h15. Atualizada em 04/07/2018 às 10h15
Candidatas ganham mais verbas para ampliar participação feminina
Candidaturas de mulheres terão R$ 512 milhões (30%) do Fundo Especial de Financiamento de Campanhas a partir deste ano.
Por: Redação PortalPE10 | Fonte: Estado de Minas


Com R$ 512,64 milhões do Fundo Especial de Financiamento de Campanhas – 30% do bolo de R$ 1,7 bilhão – destinados às candidaturas femininas, as mulheres poderão começar a mudar nas eleições de outubro a história de baixa representação política, até hoje não revertida nem mesmo com a Lei das Cotas, iniciada em 1998. 

Tampouco a minirreforma eleitoral de 2009 (Lei 12.034), segundo a qual os partidos e as coligações passaram necessariamente a preencher 30% das vagas nas chapas proporcionais com candidatos de um dos sexos, ampliou as taxas de sucesso eleitoral das candidatas à Câmara dos Deputados. 

Muitas “laranjas” incluídas nas listas proporcionais apenas para cumprir tabela nem sequer conquistaram o próprio voto: nas eleições municipais de 2016, 2.178 candidatas a vereadora em Minas Gerais não computaram nenhum voto – no país, foram 14.417 nessa situação –, o que colocou o estado na liderança nacional de candidatas sem nenhum voto.

As duas maiores bancadas (MDB e PT), que em 2014 elegeram respectivamente sete e nove deputadas federais e bancadas de 58 e 60 deputados –, terão de destinar, nesta ordem, R$ 70,2 milhões e R$ 63,6 milhões às candidaturas femininas. Já PSDB, PP e PSB – que tiveram nessa ordem cinco, duas e cinco deputadas eleitas – vão repassar às campanhas de mulheres R$ 55,7 milhões, R$ 37,9 milhões e R$ 35,6 milhões. 

Legendas como PCdoB, que proporcionalmente tem representação política mais equilibrada entre homens e mulheres – da bancada de 10 parlamentares, cinco são mulheres – irá destinar R$ 9 milhões dos R$ 30,3 milhões de sua cota do fundo para as campanhas femininas.

“O fundo para as mulheres vai ser essencial para que as campanhas delas ganhem mais visibilidade. No caso do PCdoB, a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de obrigar partidos a destinar esses valores às campanhas femininas não terá muito impacto, pois temos candidatas competitivas, com muita inserção social e chapas com muitas mulheres”, afirma Wadson Ribeiro, presidente estadual do PCdoB.

O desinteresse de partidos políticos pelas candidaturas de mulheres se revela no grande índice de insucesso eleitoral feminino ao longo do tempo: com a Lei das Cotas o número de candidaturas cresceu a partir de 1998, mas proporcionalmente foram eleitas menos mulheres. Em 1994, quando ainda não vigoravam as cotas, das 178 candidatas, 32 (17,8%) conquistaram mandato. Em 1998, foram 339 candidatas e apenas 29 se elegeram (8,6%). Já em 2002, das 487 mulheres que tentaram  vaga na Câmara, só 42 tiveram sucesso (8,6%). Em 2006, 651 mulheres tentaram a sorte no pleito e apenas 47 (6,9%) ganharam cadeira. Já em 2010, das 1.340 mulheres que concorreram a uma vaga, só 43 (3,2%) chegaram lá. Em 2014, das 1796 concorrentes, 51 (2,8%) se elegeram.

Dessa forma, numericamente, em 16 anos – entre 1998 e 2014 – a representação feminina saiu de 29 para 51 cadeiras, crescimento, em média, de cinco deputadas por eleição, contra crescimento de 75,8% na representação, contra um salto de 339 para 1.796 candidaturas, uma variação de 430%. Nesse ritmo, apenas em 2079 as mulheres conseguirão o mesmo número de cadeiras que os homens na Câmara.

Política
TSE rejeita pedido para declarar Lula inelegível imediatamente
Brasil
Brasil tem 677 casos de sarampo confirmados, diz Ministério da Saúde
Política
Em cenário sem Lula, Haddad venceria no 1º e 2º turno em Pernambuco, diz pesquisa
COMENTÁRIOS
Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente a do PortalPE10.
A responsabilidade é do autor da mensagem.