Pernambuco
Publicada em 07/12/2017 às 07h55. Atualizada em 07/12/2017 às 07h55
Ministério Público de Pernambuco amplia combate ao crime
Órgão ganhará laboratório contra lavagem de dinheiro que vasculhará movimentações financeiras e fiscais.
Por: Redação PortalPE10 | Fonte: FolhaPE


Foto: Reprodução
O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) ganhará um laboratório contra a lavagem de dinheiro. A inauguração do Lab, como é conhecido informalmente entre os procuradores e promotores de Justiça, ocorrerá na próxima terça-feira (12), às 14h, na sede do órgão (na rua do Imperador, Centro do Recife). Ligado ao Núcleo de Inteligência do ministério (Nimppe), o Lab é um conjunto de ferramentas tecnológicas apropriadas para vasculhar cada movimentação financeira e fiscal suspeita, uma vez que esse tipo de crime quase sempre encobre outras atividades ilícitas, seja tráfico de drogas, corrupção ou sonegação fiscal. A novidade, que inclui um investimento de R$ 1,6 milhão, foi anunciada ontem pelo procurador-geral de Justiça, Francisco Dirceu Barros. 

Ele é um dos participantes do encontro do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (Gncoc), que teve início ontem e segue até hoje, na Capital. O evento, que não teve o local divulgado por questões de segurança, serve como um momento de troca de experiências entre promotores de diversos estados com especialidade em inteligência criminal e enfrentamento a facções criminosas. É a primeira vez que o encontro nacional é realizado em Pernambuco. “Ao comparar com outros Ministérios Públicos de referência, como os de São Paulo e Rio de Janeiro, estamos devendo uma atuação mais eficaz no combate ao crime organizado. Essa troca de experiência é um investimento para melhoramos nosso sistema de inteligência criminal. Diante dessa onda de violência, é preciso reforço na nossa atuação e sem capacitação é impossível”, reconhece Dirceu Barros, dando como exemplo as constantes explosões a caixas eletrônicos em agências bancárias. 

Já na avaliação do promotor de Justiça Frederico Magalhães, um dos integrantes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) - que compõe o Gncoc - o MPPE tem tido um bom destaque na resolução de casos de alta complexidade. Entre os exemplos, ele citou a deflagração de operações com o apoio da Polícia Civil, como a do assalto a Brinks, que envolveu uma quadrilha violenta com articulações nacionais. 

Hoje, quatro painéis serão apresentados, entre eles, sobre sistema e inteligência penitenciária com foco nas organizações criminosas e colaboração premiada da Operação Lava Jato.

Política
TSE pode cassar eventual diplomação de Lula e Bolsonaro, diz Gilmar
Recife
Advogado ferido em acidente de trânsito no Recife que deixou três mortos recebe alta
Entretenimento
Túlio Gadelha fala sobre William Bonner pela primeira vez
COMENTÁRIOS
Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente a do PortalPE10.
A responsabilidade é do autor da mensagem.